email chbplan

email chbplan

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2017

Résumé 2018

Carlos Henrique Berg
47 99 722 3855

GRADUAÇÃO
Publicitário, Unisinos (1995), Doutor em Mídias do Conhecimento, UFSC (2017).

EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL
Profissional com habilidades de atendimento, pesquisa e planejamento. Especialista em testes de usabilidade. Iniciou como atendimento na Centro de Propaganda de Porto Alegre. Trabalhou durante 10 anos na Equipe Comunicação, em Joinville, SC, que foi sucedida pela Polo, Equipe e Borghoff. Durante esse período, começou como mídia sendo o primeiro a usar TARP em cálculos de ROI. Depois, por 3 anos foi atendimento e produtor executivo das campanhas para a rede de varejo Salfer (hoje Ricardo Eletro), desenvolvendo pesquisa com consumidores, produzindo seus vídeos e peças de campanha.
Por 8 anos, em Florianópolis, foi responsável pela gestão das campanhas da secretaria de Educação, Fazenda, Agricultura e Administração do Governo do Estado de Santa Catarina, administrando uma verba anual de mais de R$ 10 milhões. Ainda na Polo, Equipe e Borghoff foi responsável pela implantação da filial em Florianópolis, que gerenciou por 5 anos.
Por 2 anos, pela Marcca Comunicação atendeu a Assembleia Legislativa de Santa Catarina, a Fatma e a Câmara de Vereadores de São José.
Durante a profissão trabalhou no departamento de serviços de marketing da Wetzel SA, foi responsável pela comunicação da Jofund SA (Fremax Freios) e atendeu o Grupo Tuper pela Dicas Propaganda.

OUTRAS ATIVIDADES
Escreve e produz projetos culturais em diversos segmentos com ou sem renúncia fiscal.
Lecionou cadeiras de Planejamento, Atendimento e Mídia no curso de Publicidade e Propaganda no ensino superior e médio.
Conteudista para Ensino a Distância para Senac SP e UniCarioca, Univel com conteúdos de marketing e desenvolvimento de produtos.
Aplica workshops sobre Criatividade e Inovação, Canvas Business Model e sobre Revisão Sistemática de Literatura.

LÍNGUAS
Português e Inglês fluentes, Espanhol e Frances intermediários

INFORMÁTICA
Avançado

Currículo completo no link http://lattes.cnpq.br/7725493232279664
Página pessoal com portfólio www.chbplan.com.br

quinta-feira, 22 de janeiro de 2015

Um protótipo de teste de usabilidade vocal, não verbal para cegos



A importância dessa pesquisa justifica-se em permitir que cegos e pessoas com deficiência visual possam participar de testes de usabilidade e dar sua opinião para a diminuição de barreiras a acessibilidade em interfaces digitais. Foi usado o paradigma metodológico dos métodos mistos, a estrutura DECIDE para o planejamento da pesquisa e revisões sistemáticas de literatura. A pesquisa identificou o tato e a audição como principais componentes para a criação e transformação das representações espaciais e desenvolveu modelos para a criação de protótipos táteis e auditivos. O modelo tátil passou por avaliações preliminares com profissionais e usuários e aguarda um protótipo tátil para validar qualitativamente o método. Já o modelo auditivo considerou o uso de onomatopeias, que em sua maioria são universalmente reconhecíveis. Através de um processo foram identificadas onomatopeias que representariam emoções humanas, as homófonas foram agrupadas e gravadas. As onomatopeias gravadas foram validadas por 20 pessoas cegas e pôde-se desenvolver um protótipo para avaliação quantitativa. O modelo tátil ainda aguarda pela construção do protótipo.

Palavras-chave
Cegos e pessoas com deficiência visual; Interfaces Digitais; Testes de usabilidade

sexta-feira, 4 de outubro de 2013

LEARNING MANAGEMENT SYSTEM EVALUATION THROUGH USABILITY TEST WITH EMOTIONS



With the growth of the population and proportionaly of people with disabilities becomes necessary to develop tools and methods to bring up education and knowledge to that quota. Distance Learning (DL), which today finds support in Information and Communication Technology (ICT), expands opportunities and access to education through Learning Management System (LMS). In these environments it is possible to have access to course content, communicate with classmates and teachers and conduct knowledge assessments. The LMSs mediate its contents with humans through Human Computer Interfaces (HCI) and simulate the human thought using metaphors. Such metaphors can create barriers to understanding the content, not motivating users. The objective of this research is to identify methods for evaluating HCI with emotions and test with the end users of the system. The methods used to achieve this goal consisted of a Systematic Review of Literature to define concepts involving the research, the use of the framework DECIDE to plan the use of the tool in Emocard with final users. The LMS WebGD accessible was developed for teach Descriptive Geometry. The research allowed to evaluate the HCI from the LMS WebGD accessible along with deaf and hearing people. The environment was positively valenced, identifying barriers of accessibility as the colors and design. This research has as parameter the project entitled "Inclusive Education: Environment with Web Accessible Learning Objects for Graphic Representation", which receives support from CAPES (Edict 01/2009/CAPES/PROESP) and CNPq.
Key-words: Accessibility, Deaf People, Human Computer Interface, Usability with Emotions

Dissertation - BERG, Carlos Henrique. AVALIAÇÃO DE AMBIENTES VIRTUAIS DE ENSINO APRENDIZAGEM ACESSÍVEIS ATRAVÉS DE TESTES DE USABILIDADE COM EMOÇÕES. 2013. 84 f. Dissertação (Mestre) - Curso de Mídia e Educação, Departamento de Engenharia e Gestão do Conhecimento, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2013. Cap. 5.

segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

Projeto de Mestrado EGC Aprovado

Este projeto proporá o desenho de métricas para qualificar Ambientes Virtuais de Aprendizagem - AVA. Em levantamento executado, não se identificou indicadores precisos para avaliações de AVA, nem o inter-relacionamento entre os diversos existentes, gerando uma lacuna. Esta pesquisa colaborará com o desenvolvimento de AVAs acessíveis para atender 14,5% da população brasileira que é portadora de alguma deficiência. AVAs acessíveis dão maior oportunidade de inclusão. Dentre os métodos e ferramentas disponíveis para avaliações de Interface Humano Computador – IHC foram encontrados guias, normas e recomendações, mecanismos de inspeção por especialistas, validadores automáticos, os únicos com escalas, e testes com usuários. Segundo uma busca sistemática realizada nos bancos de artigos Scopus e Web of Science, foram identificados quatro artigos dos quarenta extraídos, onde puderam ser escolhidos dez autores e quatro palavras chave. Ainda dos mesmos artigos foi possível identificar seis principais publicações que tratam de usabilidade e websites. O procedimento metodológico se desenvolverá com as técnicas da observação sistemática, sendo estruturada e realizada em condições controladas, com objetivos e propósitos previamente definidos. A pesquisa busca obter indicadores e métricas que possam ser utilizados para avaliar acessibilidade de AVAs e possibilitar informações para desenvolvedores. Esta pesquisa colaborará com o desenvolvimento de AVAs acessíveis.